Mudanças

Considero que mudanças são saudáveis. Então fiz algumas por aqui. A primeira foi da distribuição do Linux. Estava usando a OpenSUSE mas não gosto muito do modelo de versões. Então voltei para o ArchLinux que é uma distribuição “Rolling release”, isto é, sempre que eu desejar eu tenho a útima versão.

Apesar de não utilizar muito o shell, troquei o bash pelo fish. Achei ele bem legalzinho e não tem dado maiores problema. O único que eu tive até agora foi uma incompatibilidade com o mc que eu uso bastante. Mas bastou criar uma funçãozinha no .config/fish/config.fish para que eu ficasse contente novamente.

function mc
command mc -u $argv
end

Finalmente troquei o mecanismo padrão de pesquisa dos navegadores do Google para o duckgo. Rápido e limpo ele me trouxe algumas surpresas. Uma é a possibilidade de pesquisa diretamente por outros mecanismos. Por exemplo, se eu desejo efetuar uma pesquisa na Wikipedia, basta preceder com !wiki texto e ela será feita diretamente pelo mecanismo da wikipedia. O mesmo para youtube (!yt ou !youtube), twitter, etc. Como estou usando Arch, se a pesquisa for precedida por !aur a busca será feita diretamente pelo site (Arch Linux User Repository). Bastante conveniente.

Em alguns casos (ou especificamente indicando por !wa) o mecanismo tenta efetuar a pesquisa no Wolfram Alpha. Como resultado, uma pesquisa do tipo calories 2 eggs, além dos resultados normais, retorna em primeiro lugar a resposta 114 Cal com o link para o WolframAlpha para outras informações. Pesquisas como distance from Porto Alegre to São Paulo”, sin x, html chars e outras retornam resultados interessantes. Em muitos casos, o início é tudo o que preciamos.

E, para finalizar as mudanças, esta entrada foi feita com o Emacs (um editorzinho jurássico) utilizando o modo weblogger.

Anúncios

2 opiniões sobre “Mudanças

  1. A única coisa que eu sinto falta no DuckDuckGo é o recurso de cache de páginas do Google.

    No /etc/fstab do teu Arch as partições estão declaradas no formato clássico ou em UUID?

    • No meu Arch, as partições estão declaradas em UUID.

      Não recordo quantas vezes utilizei as páginas no cache do google (lembro uma vez que o site não existia mais). O google também tem a possibilidade de ver em html alguns documentos (doc, pdf, pps, sei lá). O DDG tem https, não envia o texto da pesquisa para o site, permite navegação simples e eficiente com o teclado e outras coisinhas, fora que eu posso configurar. Aquele ‘0 click box’ geralmente possui informações úteis, carregar automaticamente mais resultados quando chego ao final da página e aquele ‘sites similares’ abre na mesma página. Também é possível pesquisar em um site apenas clicando no favicon que está no resultado da pesquisa. Finalmente, o mecanismo é macho o suficiente pedir para procurar no google se ele não achou mais nada. Ou um simples !g e a pesquisa é feita no google. Acho que o google está querendo saber muito da minha vida e o que eu faço (para informar outros, é claro). Resolvi respirar algo mais puro (acredito).

Os comentários estão desativados.