Transformações

Após a publicação de Sentido Vago, o Grupo Câmara Obscura nos brinda com outra publicação. Trata-se de Transformações. É só passar por lá e baixar o PDF

Anúncios

Dia mundial da fotografia

A comemoração foi no dia 19 de agosto. Com o que se vê por aí, não sei se é motivo para comemoração ou preocupação. Mas não participei de nenhuma atividade (nem sei se tinha alguma em POA, mas não poderia ir mesmo). Pelo menos atividades físicas.

Uma atividade virtual foi imperdível. A palestra do Claudio Versiani do Picturapixel no Foto em Pauta com transmissão ao vivo pela internet. É aquele negócio que a gente começa a assistir e quando vê terminou. Duas horas que pareceram 15 minutos.

Acho muito legal esse contato com os fotógrafos. No caso de palestras (ou outro nome que se dê), como o tempo é maior, a linguagem falada é mais rápido que a escrita e pela interação entre as partes, ao término parece que a gente já conhecia o palestrante. Talvez pelos casos mais pitorescos contados durante a apresentação. Como disse, um evento bacana.

Outra coisa que eu gosto de ver, ou melhor, ler, são as entrevistas. Por exemplo, as entrevistas que o Alexandre Belém vem publicando no Olha, vê. Para quem não morrer de fome se for jogado no meio dos EEUU, um site que também é interessante (é claro que existem outros, mas não pretendo preencher o bookmark de ninguém) são as entrevistas feitas pelo Jörg Colberg no Conscientious. No mesmo assunto, não posso deixar de citar o too much chocolate que possui um tipo bastante interessante de entrevista, pelo menos para mim. Na Rotating Gallery’, o primeiro fotógrafo entrevistado escolhe e entrevista o segundo. O segundo fotógrafo entrevistado escolhe e entrevista o terceiro e assim sucessivamente. O resultado é algo bem diversificado e interessante. Pode ser até muito eclético para alguns (até para mim) mas muito legal. A corrente já foi interrompida, algumas fotos foram para o limbo (as fotos eram do flickr e o cara fechou a conta) mas nada que justifique desqualificar o projeto.

No mais, li uma entrada da Simonetta Persichetti do Tramafotografica. Achei legal que ela não quis falar de como a fotografia foi inventada, mas mostrar imagens que foram super importantes para ela. Fotografias que fizeram ela passasse a se interessar no assunto. Isso no final dos anos 70.

Pô, só conhecia três dos oito citados. Considerando que a minha formação não tem nada de fotografia ou de artes em geral, acho que está de bom tamanho. Mas acho que naquela época as coisas eram mais moderadas. Não havia a quantidade de informações que ficam disponíveis aos nossos olhos a cada segundo. E com essa quantidade de informações seria possível escolher/definir algum ‘mestre’?

Eu tenho limitado a quantidade de informações disponíveis. Assino alguns sites e espero que os autores coloquem alguma informação por lá. Quando acontece, o leitor me informa o que o Flak photo colocou por lá, o que o Miguel Garcia-Guzman colocou no [EV +/-] Exposure Compensation e outros (certamente todos os endereços citados anteriormente).

HDR – Aumentando a faixa dinâmica de suas fotos no GIMP

Existem ocasiões onde a iluminação é bastante diferente na cena, possuindo áres de luzes intensas e outras áres com sombras e o sensor da câmara não consegue captar todos os detalhes. Ou as áreas claras ficam superexpostas (muito claras e sem detalhes) ou as áreas escuras ficam subexpostas (escuras e sem detalhes).

Existem diversas técnicas para melhorar esse tipo de foto, recuperando detalhes nas áreas claras e escuras. Vamos supor que sua câmara não permita fazer fotos no formato raw ou você não o utilize por questões de economia (tempo e espaço) e faça as fotos apenas no formato JPG.

Como a minha idéia é simplificar e não o contrário, esqueça os casos de multi exposição, camadas e máscaras, etc. Qual seria a maneira mais simples de aumentar a faixa dinâmica de suas fotos, utilizando o gimp e estando elas no formato JPG?

Usando o magie. Para Linux, você pode procurar pelo pacote na suas distribuição ou baixar os fontes no Sourceforge ,compilar e instalar o programa. Para Windows você pode baixar do GIMP Plugin Registry. Após instalado, o plugin tem uma interface como segue:

dr

A imagem original a esquerda e a imagem após a execução do plugin (com os valores default) a direita. É possível ver o aumento de detalhes nas áreas escuras e alguns nas áreas claras (nuvens)

antes-depois

Um corte da imagem original (100%) para uma melhor visualização do aumento dos detalhes nas áreas escuras:

crop100

Achei o plugin bem rápido. Em situações de maior contraste, ele também deixa um halo entre a área clara e escura, que pode ser minimizado alterando-se os parâmetros, como Edges, por exemplo. É interessante meer nos parâmetros para ver os resultados.

Colocando os valores dos parâmetros como a imagen do início deste artigo, teríamos uma imagem que se parece com um desenho.

desenho

Então, agora é pegar aquela foto que você não gostou muito pois ficou com áreas escuras e sem detalhes e recuperá-los. Se o resultado não ficar como você gostaria, verifique se a alteração de algum parâmetro deixa algum resultado mais agradável. Também existe a possibilidade de obter resultados diferentes e combiná-los, utilizando camadas e máscaras. Mas fica para a próxima.

Varal

Sábado, dia 23 de agosto, era aniversário de três anos do Caminho dos Antiquários. É uma feira composta por cerca de 50 expositores que, todos os sábados entre 10h e 16h, expõem na calçada seus produtos. O Sul Fotoclube (entidade que sou sócio), promoveu dois encontros anteriores, um no dia 9 e outro no dia 16 de agosto com a finalidade dos participantes fazerem algumas fotos para prestigiar o evento. Depois foi feito um varal para mostrar as fotos.

Foi o primeiro varal que participei (acho que o segundo do fotoclube). Considerei a experiência bastante positiva. Primeiro pelo aspecto de divulgação da fotografia. É um tipo de evento que leva a fotografia a um grande número de pessoas que, provavelmente, não veriam se fosse uma exposição em local fechado. A divulgação para o fotoclube também é interessante. Fiquei bastante surpreso quando fui chamado pois uma pessoa gostaria de adquirir uma foto minha. Eu nem havia pensado na possibilidade, já que a minha intenção era apenas participar do evento juntamente com o fotoclube. Mostrar as fotos para quem passava na rua, já que uma foto é feita para ser mostrada.

É claro que algumas idéias já passaram pela cabeça, como promover um varal com finalidade beneficente. Apesar da impressão de uma foto em 20x30cm não ser cara, certamente algum laboratório se interessaria em fazer as impressões gratuitamente e auxiliar a promover o evento. As fotos poderiam ser colocadas a venda por um preço baixo, tipo R$ 20,00 e a arrecadação ser doada como auxílio a uma entidade escolhida. Mas um varal também dá um certo trabalho e é necessário o auxílio das pessoas para a montagem, alguém deve ficar no local para que nenhum vandalismo ou furto ocorra, procedimentos para a entrega das fotos aos compradores e alguma outra coisa que eu tenha esquecido. Mas não custa nada levantar a discussão no fotoclube em outra ocasião.

Bem, achei que foi uma experiência válida e positiva.