Leitura na rede

Hoje fiquei sabendo que o Grupo Câmara Obscura está preparando um livro de ensaios que deverá ser lançadp no início de agôsto.

Infelizmente, pelo menos para mim, a idéia é de um lançamento único. Pessoalmente eu gostaria que fosse algo semanal. Tá, concordo que seria muito trabalho. Então algo mensal. Não? Bi? Trimestral? O melhor é aguardar agôsto e ver o que o Rodrigo e os envolvidos decidem. Realmente é algo que exige um bom tempo dos envolvidos. Quando a gente vê a coisa pronta, nem se da conta do trabalho que dá. É possível ver pelo número de revistas online que iniciaram e encerraram as atividades após alguns exemplares.

Como eu acho interessante o assunto, isto é, revistas e livros no formato pdf, vou me alongar um pouco sobre o assunto. Já faz algum tempo que utilizo tal tipo de ferramenta. Inicialmente foi na área de linguagens de programação (Lisp e Smalltalk possuem diversos livros no formato pdf para baixar gratuitamente) e, depois, com o Dave Thomas que começou com a venda de livros no formato pdf (inicialmente algo sobre Ruby e extendeu-se para diversas outras linguagens).

Na área da fotografia, tem a PBase Magazine que é trimestral (mas o pessoal resolveu tirar umas férias depois da edição de janeiro/2008). Possui entrevistas, artigos, dicas, etc. Vale a pena conferir o trabalho do pessoal.

Outro local muito bacana para conseguir literatura em pdf-mags.com. Não é específico sobre fotografia mas possui bastante livros sobre o assunto, geralmente acompanhados de ensaios, ilustrações, crônicas, entrevistas, etc. Basta acessar o site e selecionar a categoria desejada. Música, fotografia, moda, artes, vídeo, computação, etc. Ideal para quem gosta.

Como usuário do software livre, não posso deixar de citar a GIMPZine que é uma publicação trimestral com dicas e trabalhos feitos no GIMP. Uma excelente trabalho do Anderson, Guilherme e Mozart. Só para salientar, o Mozart Couto é ilustrador e autor (desenhista e argumentista/roteirista) de histórias em quadrinhos, tendo trabalhos e premiações no Brasil e exterior e, sempre que possível, utiliza o GIMP para suas tarefas. É mais ou menos como fotografia. Quem sabe faz, quem não sabe sai sempre em busca de melhor equipamento (talvez colocando na assinatura as fotos fiquem mais bonitas 🙂 )

Mas não vou fazer uma salada. Outra hora eu falo sobre as alternativas em software livre para deixar o trabalho de alguns legal (não no sentido de bonito, mas todos sabem que pirataria é crime 😉 ).